Filmes

Documentário: Paris is burning

15:58


Paris is burning é um documentário da década de 90 que trata da situação dos gays em Nova York, bem na época da explosão da AIDS no mundo, apesar de não mencionado no filme. O documentário mostra como era a vida noturna de gays, transsexuais e drag queens, que frequentavam alguns bailes onde podiam participar de competições e desfiles. Lá, essas pessoas poderiam ser quem elas realmente eram ou simplesmente projetar o que queriam ser na sociedade. 


Uma recorte bastante interessante que o filme traz é a questão racial. Nestes bailes, muitos eram negros e vinham de famílias pobres, e por isso, além de enfrentarem a repressão pela escolha sexual, ainda tinham que lidar com todo o preconceito racial e a marginalização que o acompanhavam. Ali, naqueles bailes, eles encontravam o apoio de outros homossexuais mais velhos que tinham passado pelas mesmas situações. 

Eu fiquei impressionada em como o documentário consegue trazer, de uma forma tão fantástica, como começou a cultura drag. Muitos dizem que ele só reforça ainda mais os estereótipos sobre os homossexuais, sobre essa visão de serem espalhafatos e afeminados. Porém, é importante observar a época em que o filme se passa: anos 90, década ainda muito machista. Inclusive, o próprio documentário vai mostrar que o desejo de muitas dessas pessoas, transsexuais em sua maioria, era o de ter uma casa e se casarem, ou seja, isso representa muito a ideologia conservadora de família tradicional da época.

       Esta é a América branca. Qualquer outra nacionalidade que não seja branca, sabe disso e aceita isso até o dia em que morrer. Isso é o sonho de todo mundo e a ambição como uma minoria -  viver como uma pessoa branca. E quando se tratam das minorias, especialmente a negra - nós, como povo, nos últimos 400 anos - é o maior exemplo de modificação de comportamento na história da civilização. Tudo tinha sido tirado de nós, e ainda assim todos nós aprendemos como sobreviver. É por isso que, em um salão de baile, é tão óbvio que se você tiver capturado a maneira de ser branco, ou estiver à procura, ou vestir-se, ou falar como branco: você é uma maravilha.

Lista

Sobre recomeço e anos 80

22:58




Hoje estava em uma aula de direito civil e pensei comigo: Por que não? Por que não voltar com o blog? Quem me conhece há um tempinho sabe que esse espaço me acompanha desde 2010, e que sempre é assim, uma hora sempre dou uma desacelerada na escrita aqui e de repente bate aquela vontade de ter blog de novo. As circunstâncias do final do ano passado me obrigaram a dar um tempinho para o blog, mas hoje eu tenho tudo o que preciso: um notebook novo, internet boa e vontade. Então, por quê não?

Como estou em uma vibe anos 80, resolvi criar essa listinha com os clipes mais bizarros dos anos 80. Conheci todos na infância, e até hoje, sem brincadeira, não consigo entendê-los completamente:

1. You're my heart, you're my soul - Modern Talking
Eu amo a baladinha que essa música consegue fazer ao mesmo tempo em que esse clipe consegue ser bem bizarro e um pouco assustador. Alguém me explica essa fumaça atrás deles? Repare na cara de morto constante do cantor da esquerda e seus closes quando há uma batida da música que parece sincronizar com o movimento da cabeça dele. Também, tem a expressão "tô querendo te seduzir" constante do guitarrista:



2. The Goonies 'R' Good Enough
Esses é um daqueles clipes em que se chega ao fim e fica tipo "Que?" Tudo começa com a cantora encontrando um buraco na parede que a leva à uma caverna. Lá, ela encontra um mapa, algumas crianças e posteriormente alguns vilões que tentam lhe roupar o mapa. A verdade é que, para entender o clipe, só mesmo assistindo "The goonies", um filme de ação da década de 80 que fez bastante sucesso e que conta com a participação da Cyndi Lauper. Inclusive, é de lá que saíram essas cenas. Por isso, o clipe nada tem de esquisito além do roteiro do próprio filme: 



3. Total eclipse of my heart - Bonnie Tyler
Gente, esse clipe é todo sinistro. Para começar, o ambiente é de um castelo abandonado onde portas abrem sozinhas e garotos têm olhos com luz LED. O que é mais macabro? Em uma pesquisa que fiz, encontrei uma breve análise que dizia que o clipe é na verdade sobre vampiros. Mas, vampiros? O clipe termina com Bonnie cumprimentando um cara que canta um afinadíssimo "turn around, bright eyes", que significa "vire-se, olhos brilhantes". Tire suas próprias conclusões:


Vida Fit

Algumas ideias para uma vida mais saudável

08:31


Tenho uma alimentação bem variada. Desde os legumes mais proteicos aos alimentos mais gordurosos, tipo pizza de calabresa com óleo “pingando”. Como de tudo mesmo! Mas de um tempo para cá vinha percebendo um aumento no meu peso e certa indisposição física para fazer algumas coisas, como correr, por exemplo. Por isso, acabei adotando a algumas semanas atitudes que tem meio que dado certo:


Corra/ande de duas a quatro vezes por semana. 

Se você estiver sedentário como eu, provavelmente não vai conseguir correr de cara. Mas não importa, a ideia é começar! No início, acho legal se exercitar durante 30 minutos para que não fique cansativo e te faça desistir desde o início ou só de pensar. Durante esse tempo, você pode alternar entre a caminhada e o “trote”, que seria tipo o intermédio entre a corrida leve e a caminhada. Uma coisa que me motiva é selecionar umas músicas animadinhas e levar o mp3 comigo. Sempre funciona! Depois monto uma playlist com as músicas que ouço para correr e posto aqui. 

Encontre uma atividade ou esporte que você goste

Se você já fez ou faz academia e aparece lá só para dar um oi para o personal, vou te passar a real: desista amigo. Se tiver uma coisa que aprendi foi: não tem um mínimo de empatia por um exercício? Tenta outro! Simples. Melhor do que ficar desperdiçando dinheiro ou ficar se enganando. Eu, por exemplo, comecei a praticar yoga e estou adorando. E imagina: nunca passou pela minha cabeça que gostaria tanto! Seja o louco fitness e saia para experimentar novos exercícios, você pode gostar de algo que nunca imaginou que te deixaria feliz! 

Leia os rótulos dos alimentos

Sério, isso é muito importante! E mais do que isso, é saber interpretar as informações da tabela nutricional. Não ligue só para as calorias. Se você quiser emagrecer, não se atente somente ao percentual de carboidratos, observe também as proteínas. Aliás, se um alimento tiver muita proteína, pouco carboidrato e muitas gorduras, nem leva! Entrei nessa ilusão de escolher sempre os alimentos com menos carbo possível e com mais proteínas, mas muitas vezes um índice alto de gordura descompensa todo o alimento, além de ser muito prejudicial à saúde. 

Substituir produtos

Existem receitas maravilhosas na internet que ensinam como fazer as receitas mais gostosas usando os ingredientes mais inusitados! Por exemplo: Ruffles de batata doce? Tá liberado! É super simples e dá para fazer rápido pelo microondas:



A Bessie, do blog “Melhor não falar nada”, tem umas dicas bem legais de como deixar os pratos do dia-a-dia mais saudáveis. Você pode conferir clicando aqui.

E você? Tem alguma atitude que te faz sentir melhor e saudável? Conta para mim! :)

Contos

Ninguém sabe o que ele pensou

13:12

Esses dias eu sonhei que morreria às 04 horas da manhã. Talvez assustada com a ideia de quem ainda viveu pouco, acordei 15 minutos antes de virar defunta. Ali, agora, tinha os últimos minutos de vida e decidi então pôr meus pensamentos sobre coisas aleatórias ao invés de tentar imaginar do que eu morreria logo mais. Infarto fulminante? Vai saber, não importaria. Eu ia morrer de qualquer jeito mesmo.

Me veio à mente então um cara chamado Heiddeger, um filosófo que eu tinha ouvido falar alguns dias atrás e que me chamou atenção por suas ideias um pouco óbvias, porém que fazem o maior sentido. Ele dizia que o ser humano é um ser-no-mundo. Que coisa mais óbvia. Óbvia. Demais. Melhore amigo. Até eu pensaria um troço óbvio desse. Talvez sem tanto lirismo.

Fiquei refletindo sobre o significado do substantivo coletivo do cara e vi que poderia ser bem mais que eu imaginava. Estava desprezando suas ideias, desconsiderando particularidades que ele pode ter tentado atribuir ao seu pensamento, e que assim, pode não ter conseguido se expressar totalmente. Talvez não fosse uma ideia tão simples, talvez fosse mais do que uma interpretação óbvia de que o ser humano constrói um mundo na medida em que realiza suas ações individuais. Vai saber. Quantos devaneios já tive que eram intransmissíveis em suas literalidades...A imaginação talvez seja mesmo a única barreira intransponível, realmente inviolável que a gente tem.

Já era quase a hora da minha morte. Mas fiquei tão intrigada com as interpretações únicas que tentam passar de um pensamento de alguém, que acabei esquecendo que iria morrer daqui a pouco. Olhei meu celular e vi que faltavam apenas mais 3 minutos. “Vou pensar em outra coisa. Que tipo de pessoa está morrendo e começa a lembrar do resumo de filosofia do livro de cursinho que leu dias atrás?”, pensei. Agora faltavam mais 2. “Vou mentalizar a minha família e as pessoas que gosto, é a coisa mais normal a se fazer”. De repente, permiti-me ver o horário no relógio ao lado da cama e vi que ainda faltava 1 hora para eu morrer. Não entendi. Chequei o meu celular, aquele no qual tinha checado o horário inicialmente, e por ele, de fato, já eram quase 4 horas. De repente parei de respirar e morri. Era horário de verão. E eu precisava dormir.

Filmes

Um filme de cada país: Irlanda

14:40


Em nome de Deus (originalmente, The Magdalene sisters) é um filme baseado em fatos reais de um caso pouco conhecido. A história se passa na Irlanda, em uma espécie de convento para onde eram mandadas as mulheres vistas como "promíscuas" na época. Lá, elas eram comandadas por freiras e trabalhavam como lavandeiras sem nenhum tipo de remuneração em uma condição semelhante à da escravidão. Algumas chegaram a sofrer abusos por padres e outras morreram em conta da falta de assistência médica, por doenças relativamente simples. A ideia era que lá elas fossem purificadas e redimidas por seus "pecados".

Fotos reais das "Magdalene Laundries"
O governo da Irlanda divulgou um relatório sobre tal vergonha nacional e de acordo com o documento, entre 1992 a 1996 mais de 10.000 mulheres foram mandadas para a Lavanderia Madalena por serem vistas como um fardo para suas famílias. No relatório consta que o Estado irlandês encaminhou para essas lavandeiras 2.124 mulheres, 26,5% do total. Além disso, cerca de 900 mulheres morreram nesses locais de trabalho forçado — a mais nova delas tinha 15 anos.

O longa é simplesmente fantástico e é ótimo para pensar sobre essas questões de gênero, o quanto foi conquistado e quais seriam as prospecções para o futuro. Caso ainda não tenha lhe convencido, o filme me ganhou com a seguinte declaração do diretor: "The Magdalene Sisters não é somente sobre a Igreja Católica e sobre como ela reprimiu jovens mulheres na Irlanda, é sobre todas as fés que pensam que têm o direito de pressionar mulheres".


Curitiba

Como foi: A-ha em Curitiba (15/10)

22:08


Apesar de ainda não ter estrutura emocional para falar sobre, vamos lá. Consegui o ingresso para o show uma semana antes e juro que ia sofrer menos se eu não tivesse ido. Juro. Sabe aqueles shows que, de tão maravilhosos, você fica com depressão depois? Pois é, ainda não superei. Mas estou tentando. 

Para quem não conhece, A-ha é uma banda norueguesa que bombou nos anos 80, a conhecida década de ouro”. Conheço e ouço a banda desde criança porque a minha mãe era muito fã e sempre costumava comprar aqueles DVDs de flashbacks para relembrar os bons tempos. Dentre todas as faixas dos tais DVDs, A-ha ganhou minha admiração desde os 8 anos por terem os clipes mais legais (quem não conhece o clássico Take on Me?) e serem um trio que, convenhamos, muito lindo! Haha

Chegamos no local do show por volta das 18hrs e os portões se abririam às 20hrs. Que eu saiba, não tinha ninguém acampado lá e até estranhei o fato da fila não estar tão grande como o esperado. Pelos meus cálculos, ali estavam umas 50 pessoas na minha frente. 

Ficar 2 horas na fila não é fácil e por isso tem que valer a pena o sacrifício. Após a abertura dos portões, ainda esperei literalmente imóvel mais 2 horas para que o show começasse. Consegui pegar um lugar atrás de uma pessoa que estava na grade, no lado direito da pista e muito perto do palco. Sair para tomar água ou ir ao banheiro? A simples hipótese de pensar em sair dali faria você perder seu lugar. 

O Curitiba Master Hall é coberto e muito pequeno. Quando o show começou era de se impressionar a quantidade de pessoas que tinham ali dentro naquele curto espaço. E por falta de ventilação e superlotação, o calor era quase insuportável. Irrespirável, a palavra certa. A produção realmente pecou em não ter escolhido um lugar melhor para um show internacional como esse. Mas tudo bem, valeria a pena.
Morten Harket
Só foi Morten (o vocalista da banda) subir ao palco para a galera pirar. Como disse um redator do site da Gazeta, ele está “naquela fase entre o galã maduro e tiozinho”. Gente, impressionante. O cara tem 56 anos e um corpo de 30, dava uns sorrisos tímidos no palco e até tirar os óculos se tornava uma ação extremamente sexy. As fãs gritavam!

O show parecia uma típica discoteca dos anos 80. Fizemos coros lindos. Foi então que, após cantarmos The living in daylights, Morten olhou para a direção onde estava e uma a moça atrás de mim ergueu um cartaz que dizia algo como “Hoje é meu aniversário, tira uma foto comigo”. Ele então sorriu desceu do palco! Por sorte, nessa hora eu estava filmando:


Socorro, esse foi o momento mais louco do show! No vídeo não dá para ver, mas quando ele desceu do palco todo mundo avançou! Eu estava muito perto e mesmo assim não consegui sequer estender a mão para tocar nele. Mas bom, pelo menos o vi de pertinho. Nem rugas o cara tem, gente!

O melhor momento sem dúvida foi quando cantamos Hunting High and Low, e não sei por que, mas em todos os shows Morten é todo melancólico ao cantar essa música. Inclusive no Rock in Rio chegou a chorar discretamente. Crying in the rain é uma das minhas preferidas e também foi excepcional. Aliás, todas essas canções tristes parecem ficar ainda melhores cantadas com a emoção ao vivo.

O show acabou alguns minutos antes da meia noite. O grupo agradeceu e fez um comentário de que a primeira vez em Curitiba tinha sido em 1989. Legal imaginar que nessa época eu nem tinha nascido! E agora eles estavam lá, quase 26 anos depois, ainda na ativa, fazendo um tour no mundo todo.

Para quem não conhece a banda, aqui vão algumas músicas que fizeram bastante sucesso:

Dicas

Como eu tirei 980 na redação do Enem duas vezes

14:16

Nota: Este post não tem o objetivo de trazer uma receita pronta ou passos infalíveis para você tirar uma boa pontuação. Aliás, caso veja algo do tipo algum dia, duvide. Resolvi escrevê-lo porque dois amigos (alô Carlitos e Alex!) pediram para que eu desse algumas dicas de redação por e-mail. E bom, já que tenho um blog, pensei na ideia de compartilhar com mais pessoas as minhas impressões sobre a redação do Enem.

Redação pode ser um pavorzinho para muita gente. E admito, para mim sempre foi. Mas aos poucos a gente vai perdendo o medinho e vê nessa parte da prova uma grande chance de expor muita coisa legal e ser livre para pensar. Eu nunca tive o costume de treinar redação, mas sempre gostei de escrever. A primeira vez que fiz a prova do exame, em 2012, obtive 760 na prova de redação. E em 2013 tirei 980, talvez influenciada pela euforia de um concurso de redação no qual obtive a segunda posição. Pensei até na possibilidade de ter tido a sorte de um corretor gente boa e bem humorado, porque sempre vejo problemas no que escrevo e nunca esperei uma pontuação alta dessas. E eis que em 2014 a pontuação se repetiu novamente. 980, pela segunda vez.

Gráfico do percentual de pontuações na redação do último Enem
Abaixo, reuni algumas dicas que humildemente considero úteis para qualquer pessoa que irá fazer Enem este ano. Espero que gostem, qualquer dúvida é só comentar ou entrar em contato!

Se liga no que o Enem quer de você
Você já ouviu falar das competências cobradas pela redação do Enem? Se não, não tem problema. Vou listar elas agora para você:

1 – Domínio da norma padrão da língua escrita
Avalia a sua habilidade de escrita, que elenca os mais variados conhecimentos: utilização correta de pontuação, estruturação de frases, etc. 

2 – Compreensão da proposta
Esse é a famosa “fuga ao tema”. Se você compreendeu bem a proposta e entendeu qual o X da questão sobre o qual você deve redigir, já garantiu esse tópico. 

3 – Capacidade de organizar e relacionar informações
Essa competência julga o quão habilidoso você é em juntar todas as suas impressões e informações sobre o tema e organizá-las de modo inteligente, correlacionado.

4 – Construção da argumentação
Se você conseguir organizar todas as informações como cobra o item 3, provavelmente vai chegar à um objetivo final de argumentação. Essa competência procura saber a sua posição sobre o tema a partir de seus argumentos construídos ao longo do texto.

5 – Elaborar proposta de intervenção ao problema exposto
Para tudo existe solução! Er...nem tudo. Mas lembre-se que a chance de colocarem um tema extremamente complexo e sem-solução no Enem é QUASE zero (para depois não virem me dizer que afirmei asneira). Nessa competência, você deve - e vai, por favor- arranjar alguma solução, nem que seja para iludir a society (o corretor, no caso).

- Mari, por que isso é importante? Migx, o Enem não é como o vestibular tradicional. Ele foi criado exatamente com a proposta de acabar com esse conhecimento “decoreba” (vulgo falsiane) da maioria dos vests do país. Se você já fez a prova algum dia já deve ter percebido o quão repleta ela é de textos e questões dinâmicas e, na minha opinião, inteligentes. Essas competências cobradas são exatamente o que se espera desse aluno não-falsiane!

Problematize!
“Publicidade infantil? Que tema ruim!” Gente, não existe tema ruim. Parem de mimimizar as coisas! Ficar com essa de tema ruim só deixa a sua amiga paranoia ainda mais louca com os possíveis temas. Você pode ter escrito sobre diversos assuntos e na hora H cai algo inimaginável. Por isso, o mais importante que precisa saber é: O tema é sobre algo no qual você não tem domínio? Problematize! Leia a coletânea auxiliar presente na proposta de redação, extraia o máximo de informações possíveis e tire suas impressões. Pode ter certeza de que, se determinado tema foi posto, com certeza tem alguma relevância socialmente. Por isso, trata-se de um problema. E o que você deve fazer com esse problema no desenvolvimento da sua redação é problematizar ainda mais. Ninguém quer que você disserte conceitos ou só emita opinião. Antes de tudo, é necessário levantar todos os viés da questão e escolher alguns para problematizar

Bônus: Algo que eu faço e funciona comigo é o famoso “brainstorm”, chuva de ideias. Reúno tudo o que penso sobre o tema e vou anotando por meio de tópicos. Escolho o que se encaixa melhor e vou montando a minha redação. 

Não se preocupe em ter uma linguagem sofisticada e uma gramática impecável
Migo, ninguém liga se você sabe as palavras mais difíceis do dicionário e seus significados. Isso mesmo. Nobody yes door (Ninguém sim porta). Além disso, não fique perdendo tempo demais preocupado diante de alguma dúvida gramatical. Calm down! Se sua redação estiver interessante e bem fundamentada, esse erro passará despercebido pelo corretor. Mentira, talvez se o erro estiver realmente gritante... Mas mesmo assim, não é algo tão relevante levando em consideração os outros critérios (competências) que pontuarão o seu texto.

Trace um estilo à sua redação
Se você escrever três redações em um curto espaço de tempo sobre temas diferentes sem dúvidas vai ter encontrado uma forma mais confortável de escrever. A partir da estrutura padrão de redação (a introdução, o desenvolvimento e a conclusão), é legal encontrar um meio costumeiro para quando chegar o grande dia você não se desesperar. Por exemplo: Nunca consigo escrever 5 parágrafos! O meu desenvolvimento é sempre muito conciso, e dois parágrafos não muitos longos são suficientes. Também curto utilizar alguns termos específicos: De fato, Desde os primórdios, Contudo, Ademais. Esse foi um formato que encontrei para redigir as minhas redações. Funciona comigo. Por isso, aconselho que você encontre essas empatias pessoais e utilize-as em suas redações, principalmente para ganhar tempo no dia da prova.

Faça citações e embasamentos concretos 
Uma das coisas mais legais que considero no Enem é a liberdade que você tem para ser interdisciplinar na redação. Por isso, aproveite isso e traga muita cultura e mostre ao corretor o quão informado você é (ou não, ao menos tente passar essa impressão haha). VAMO, MOSTRA CULTURA! Traga citações filosóficas de algum pensador que você goste e que se encaixe ao tema, lembre aquele artigo da Constituição Federal que estabelece a igualdade entre as pessoas, relembre aquele fato ocorrido ano passado em tema sobre manifestações populares... Escolha algo concreto para enriquecer a sua redação e torná-la interdisciplinar. Vale utilizar ciência, história, jornalismo, legislação e muito mais!

Dê uma atenção especial à proposta de intervenção
Em minha opinião, a proposta de intervenção deve ser o núcleo da sua redação, ou seja, tudo o que você argumenta e expõe deve se tornar claro ao você estabelecer uma solução. A culpa é toda do governo? Pode até ser, mas acho arriscado dizer isso literalmente. Por isso, sempre é melhor propor soluções mais efetivas e práticas para o problema. Por exemplo: Lembro que no tema de Publicidade Infantil propus que houvesse a moderação de conteúdo publicitário para o público infantil e que isso seja especificamente realizado por psicólogos e psicopedagogos, já que estes possuem conhecimento para identificar o que pode afetar negativamente no desenvolvimento de uma criança. Além disso, também citei a necessidade de haverem mais propagandas que incentivem a prática esportiva infantil e alimentação saudável. E olha só, isso pode muito bem ser realizado pelo governo! Então, é só pensar em ideias práticas e específicas e incrementar na sua redação. Acho que uma proposta de intervenção muito abstrata e toda linda (cheia de mimi) pode não chamar muito a atenção do corretor. Por isso, tentar inovar trazendo ideias precisas é sempre uma boa!

Não seja pessimista ou muito idealista na conclusão
Resumindo: Não seja um carrancudo ou sonhador! Se você argumentou sobre a sua proposta de intervenção, no final deve admitir a possibilidade das coisas serem imprevisíveis e necessitarem adaptações. Por isso, é legal concluir a redação citando as particularidades do problema (isso não é pessimismo, é senso crítico), mas permitindo-se ter um otimismo sincero. Aliás, se você não acreditar no que acabou de escrever, como espera que o corretor acredite?

Gostou das dicas? Não se esqueça de marcar o blog nos favoritos do seu navegador e curtir a nossa página no facebook para acompanhar as novidades! ;)

facebook

Arquivo do blog